quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Vale a pena fazer faculdade de astronomia?

"Você já pensou, em algum momento, ser astrônomo(a)? Um dos caminhos é se graduar em Astronomia. Eu tentei, aqui tá minha experiência."

Ex-aluno da graduação em astronomia da UFRJ, Devanil Júnior fala da sua experiência no curso.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Acesso à graduação em astronomia da UFRJ pelo SISU



Se sua prioridade no vestibular for Astronomia na UFRJ, veja aqui alguns aspectos relevantes sobre o processo de seleção do SISU:


"O que escolher como segunda opção?"
Sugerimos o curso de Bacharelado em Ciências da Matemática e da Terra, o BCMT, como segunda opção. Ele serve de ponte para qualquer outro do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza, o CCMN. As opções são Astronomia, Meteorologia, Geografia, Geologia, Matemática e Física. Assim, você começa no BCMT e a partir do segundo período já pode iniciar o processo de transferência para a Astronomia. Há ainda a possibilidade de se manter e se graduar no próprio BCMT.
Outra sugestão que damos para segunda opção é o curso de Física, pois é bastante parecido com Astronomia no início. A transferência é comum e não costuma ser muito trabalhosa. Se você acabar por preferir continuar na Física mas ainda se interessar por astronomia, uma eventual pós-graduação também é uma possibilidade bem sólida.

"Astronomia é minha primeira opção, mas acho que minha nota não será suficiente."
Não se desespere e só não esqueça de declarar interesse para a segunda chamada.
A nota de corte pra Astronomia na UFRJ é, de fato, alta (geralmente entre 700 e 800) na primeira chamada; isso é normal desde o ano em que esse sistema foi implantado, mas muda drasticamente (notas entre 500 e 600 também podem vir a ser suficientes à medida que as chamadas vão sendo feitas).
Isso acontece porque algumas pessoas que passam na primeira chamada às vezes nem aparecem para a matrícula, e outros se matriculam mas mudam de curso logo depois.
O mesmo vale para as chamadas seguintes. Se você não passar na segunda, espere a terceira e assim por diante, sempre lembrando de declarar interesse na vaga. É comum vermos 5 chamadas, às vezes até mais.

"Minha nota continua baixa, mesmo após outras chamadas."
Se mesmo assim você achar que sua nota não será suficiente, aconselhamos a passar a primeira opção para o BCMT, citado anteriormente, pelos mesmos motivos de apontá-lo como segunda opção. Além disso, tem mais vagas e pode ser menos concorrido.
O curso de Física, mais uma vez, também é uma boa opção. Assim como o BCMT, possui mais vagas, mas a concorrência não é muito diferente.
Quaisquer dúvidas, podem perguntar nos comentários ou inbox que responderemos assim que possível!
Esperamos que todos consigam entrar nos cursos de seus desejos e aguardamos nossos calouros!


Postagem escrita pelo meu amigo Eduardo Pereira e originalmente postada na nossa página do Facebook Astronomia UFRJ


Esta postagem também estará fixada na aba Quero ser astrônom@ (FAQ)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

domingo, 18 de outubro de 2015

Papo de astrônom@: Erika Rossetto (Embratel Star One)


A postagem de hoje é uma entrevista exclusiva sobre a carreira na Embratel Star One cedida pela mestre Erika Rossetto, uma grande amiga que conheci durante a graduação. A ideia desta entrevista surgiu ao tentar deixar a seção Quero ser astrônom@ (FAQ) mais completa. 

A minha vontade é fazer uma série de entrevistas com profissionais da astronomia, mas que não necessariamente seguiram a carreira acadêmica (a forma mais tradicional de trabalhar como astrônomo) para que os leitores do blog tenham uma visão um pouco mais universal da profissão.

A Erika foi a astrônoma escolhida para estrear esta série. Ela é bacharel e mestre em astronomia pelo Observatório do Valongo, UFRJ. Trabalha desde 2010 na Embratel Star One, onde atualmente é coordenadora do grupo de controle orbital, também chamado grupo de mecânica celeste. Desde 2013 faz parte do comitê diretor do SDA (Space data Association), uma organização que se dedica a minimizar o risco de colisão entre objetos no espaço.

Erika em visita ao museu aeroespacial de Dulles, EUA - Acervo pessoal


Alpha Lyrae (αL): Como se candidatar a um estágio na Embratel Star One?

Erika: Quando aberto um processo de seleção o candidato [aluno de graduação] deve enviar currículo ressaltando suas experiências acadêmicas, conhecimentos de informática e idiomas, previsão de formatura e quaisquer outras informações que julgue pertinentes. O processo inicial é feito pelo CIEE [Centro de Integração Empresa-Escola] e a seleção final feita pela coordenação de mecânica celeste da Embratel. O candidato pode entrar em contato através do CIEE diretamente ou com o responsável pelo grupo de mecânica celeste.

αL: Quanto ganha em média o estagiário?

E: Atualmente [outubro de 2015], a bolsa de estágio é de R$730,00 e o estagiário conta com auxílio alimentação e transporte, além de seguro de vida.

αL: Qual o tempo médio de contrato de estágio?

E: O contrato tem duração de 6 meses podendo ser renovado. Porém não é possível permanecer mais de 2 anos como estagiário de acordo com a legislação vigente.

αL: Como ser efetivado (contratado) após o término da graduação?

E: As chances de ser efetivado dependem de uma série de fatores. Contudo, é importante que o estagiário esteja formado ou muito perto de se formar para ser contratado. Estar formado aumenta significativamente as chances da contratação, porém, infelizmente, não há garantia de efetivação.

αL: Quanto é o salário inicial do profissional efetivado (contratado)? E como pode haver a progressão salarial e de cargos?

E: O salário inicial é compatívell com uma bolsa de pós-doutorado podendo variar de acordo com as qualificações do candidato. Além do salário, o funcionário conta com uma série de benefícios como: vale alimentação e refeição, plano de saúde, seguro de vida, participação nos lucros da empresa, etc. A empresa tem um programa de progressão de cargos e salários que depende do desempenho de cada funcionário.

αL: Quais são as principais diferenças - vantagens e desvantagens - de se trabalhar numa empresa privada versus instituição pública sob a sua ótica?

E: Uma das grandes vantagens do setor privado é a quantidade de benefícios adicionais ao salário que em geral os órgãos públicos não oferecem. No caso do astrônomo, uma grande vantagem é a possibilidade de ser contratado após a graduação enquanto que no setor acadêmico, em geral, é necessário terminar o doutorado no mínimo.

αL: Quais são as funções que astrônomos podem exercer na Embratel Star One?

E: Na Embratel Star One o astrônomo atua na área de controle orbital. É responsável pelo cálculo e planejamento das manobras que mantêm os satélites em suas posições adequadas. Dentro dessa tarefa, uma série de atividades é exercida, tais como: estimação e propagação de órbita; estimação e propagação da atitude do satélite (apontamento espacial); estimação e análise de consumo de combustível a cada manobra executada; etc.

αL: Qual a importância de se contratar um profissional formado em astronomia?

E: Inicialmente, o astrônomo era requerido devido ao conhecimento na área de mecânica celeste. Atualmente, não há mais formação acadêmica com foco nessa área. Entretanto, os diversos conceitos aprendidos durante a graduação faz com que o astrônomo seja o profissional mais indicado para trabalhar com controle orbital.

αL: Quais outras empresas contratam astrônomos?

E: Em geral, empresas operadoras de satélite podem contratar astrônomos para trabalharem com controle orbital. No Brasil, além da Star One há uma iniciativa do governo que pode gerar mais campo de trabalho. Atualmente essa alternativa está sob o controle da Visiona com a Telebras. No exterior há diversas empresas como Eutelsat na França, Intelsat nos EUA, SES em Luxemburgo e EUA e várias outras. Alguns fabricantes de satélites também podem contratar astrônomos. Já houve astrônomo brasileiro trabalhando na Boeing, por exemplo. Além disso, algumas empresas do setor de informática abrem espaço para astrônomos, porém nesse caso é para atuar na área de desenvolvimento de software, o que não está diretamente relacionado à astronomia.

αL: O que você mais gosta no seu trabalho?

E: Como temos um grupo somente de astrônomos aqui, a atmosfera de trabalho é bastante amigável e interessante. Além disso, esse trabalho me proporciona oportunidades de colocar em prática muitos conhecimentos adquiridos durante a vida acadêmica e também interagir com profissionais de diversas partes do mundo. 

Embora a função exercida pelo astrônomo na Embratel Star One não exija evolução acadêmica, temos aqui um aprendizado contínuo devido à complexidade dos satélites e também porque estamos sempre envolvidos com o desenvolvimento de novos programas de satélites. Além disso, dependendo do interesse de cada um é possível avançar os estudos e também pesquisar. Alguns dos integrantes do grupo concluíram mestrado enquanto já trabalhava aqui.

--

Erika, muito obrigada pela sua disponibilidade!
Com certeza suas respostas ajudarão futuros astrônomos a tomarem algumas decisões. :D

domingo, 4 de janeiro de 2015

Quem foi: Hypatia de Alexandria.


Hypatia de Alexandria ( 350–370 - 8 de março de 415 d.C.) foi uma neoplatonista grega e filósofa do Egito Romano, a primeira mulher documentada como sendo matemática. Como chefe da escola platônica em Alexandria, também lecionou filosofia e astronomia.

Destaque que mostra Hypatia na A Escola de Atenas - obra do pintor renascentista Rafael
Entre os seus feitos incluem-se o aperfeiçoamento do astrolábio – um instrumento que mil anos depois ajudaria os portugueses a conquistar o globo pelos mares –, assim como um conjunto de textos nos quais explica, com extraordinária simplicidade, algumas das grandes (e complexas) ideias científicas e filosóficas do classicismo helênico. Para esta mulher, o conhecimento devia ser acessível a todos.

Mas os tempos eram perigosos e o ambiente social, político e religioso era instável. Alexandria estava tornando-se um fervilhante caldeirão de intolerância. Aproveitando o caos, uma nova força começou a ganhar cada vez mais poder: o cristianismo.

Depois de ter enfrentado o machismo legado pelos grandes da filosofia clássica, chegava a vez de Hypatia ter que lidar com a misoginia dos teólogos da igreja cristã. O próprio São Paulo, numa das suas epístolas, protestava: “não permito que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre os homens, mas que esteja em silêncio.” Prevendo dias difíceis, Hypatia decide arregaçar as mangas e usar a sua influência para combater o crescente poder dos intolerantes cristãos.



“Compreender as coisas que nos rodeiam é a melhor preparação para compreender o que há mais além” - Hypatia

De acordo com o relato de Sócrates, o Escolástico, numa tarde de março de 415, quando regressava do Museu, Hypatia foi atacada em plena rua por uma turba de cristãos enfurecidos. Ela foi arrastada pelas ruas da cidade até uma igreja, onde foi cruelmente torturada, apedrejada e esquartejada. Depois de morta, o corpo foi lançado a uma fogueira.

A morte de Hypatia, em 415, acabou por marcar o fim de uma era de racionalidade e conhecimento e a entrada na chamada “idade das trevas”. A ciência iria emudecer até ao Renascimento e a voz emancipada das mulheres por muito mais tempo.


"Fábulas deveriam ser ensinadas como fábulas, mitos como mitos, e milagres como fantasias poéticas. Ensinar superstição como verdade é uma coisa terrível. A mente infantil aceita e acredita nelas, e apenas por meio de grande dor e, talvez, tragédia, pode anos mais tarde se livrar delas. Na verdade, os homens lutam por uma superstição tão rapidamente quanto por uma verdade viva - às vezes até mais rápido -, uma vez que a superstição é tão intangível que você não consegue chegar até a ela para refutá-la, mas a verdade é ponto de vista, e, como tal, é mutável." - Hypatia


Para saber um pouco mais da vida da Hypatia:

  • Entrevista com o historiador Jordi Mata em um programa espanhol chamado 'Las Tardes de Pedro Ribas'. Apesar da entrevista ser em espanhol, eles falam razoavelmente devagar e dá pra entender muita coisa:



  • Livro Hipatia de Alexandria da autora Maria Dzielska



  • Ágora, um filme dirigido por Alejandro Amenábar, fácil de encontrar para assistir.


Referências: 
  1. http://obviousmag.org/archives/2011/05/hypatia_uma_cientista_num_mundo_de_homens.html
  2. http://en.wikipedia.org/wiki/Hypatia
  3. http://www.travessa.com.br/HIPATIA_DE_ALEXANDRIA/artigo/fbbd3cca-2040-4a69-902e-9635df509c30
  4. http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81gora_(filme)

segunda-feira, 24 de março de 2014

Aprender ciência pela internet - Coursera

Pra quem gosta de ciência e sabe se virar no inglês, o site Coursera é uma excelente fonte de conhecimento acessível (levando em conta também que você tenha acesso à internet banda larga).

Cada vez mais universidades consagradas oferecem aulas gratuitas dos mais variados assuntos através da internet. No Coursera há uma infinidade de cursos de muitas áreas, em várias línguas e níveis de conhecimento. Desde cursos extremamente introdutórios a alguns bem especializados.

Acho esse tipo de iniciativa bastante interessante, e parece que é uma tendência. Algumas universidades brasileiras já começaram a entrar na onda postando as aulas em canais de excelente qualidade no youtube (e isso será assunto para uma postagem futura).

Hoje o assunto é o Coursera. Nem todos os cursos estão disponíveis no presente momento, mas se o assunto é de interesse de um possível aluno, ele poderá se inscrever para receber atualizações e datas de início das aulas. Funciona assim:
Os que aparecem com um botão "Join for free" ou "View course record" são os cursos que já aconteceram ou os que estão acontecendo atualmente. Estes costumam ter as vídeo-aulas disponíveis para download, bem como as legendas e o texto corrido.
Os que aparecem com o botão "Add to watchlist" são os cursos que ainda acontecerão, provavelmente num futuro próximo. Ao clicá-lo você estará se inscrevendo para futuras notificações de início de aulas.

Algumas universidades oferecem a oportunidade do aluno receber um certificado oficial de participação. Geralmente esse certificado dependerá do seu desempenho em provas ("quizzes") feitas no próprio site e uma taxa para a emissão do documento. Não sei se todas cobram essas taxas, nem sei se os valores são fixos. Na única vez que pesquisei o valor era de U$100. Mas veja bem, isso é opcional. Os cursos são GRÁTIS. Só quem desejar receber o certificado é que paga a taxa.

Selecionei abaixo alguns cursos muito interessantes que podem complementar a formação de um astrônomo. Lógico que meu gosto pessoal e apreço por astrofísica estelar e astrobiologia pesaram nessas escolhas. Existem outros cursos de astronomia lá, basta procurar na caixa de pesquisa.

AstroTech: The Science and Technology behind Astronomical Discovery - University of Edinburgh
"How astronomy really works - an overview of the technology that astronomers use to collect and measure light from the universe, and how it is used in practice to make scientific discoveries."
https://www.coursera.org/course/astrotech

Confronting The Big Questions: Highlights of Modern Astronomy - University of Rochester
"An introduction to the most modern astronomy's most important questions. The four sections of the course are Planets and Life in The Universe; The Life of Stars; Galaxies and Their Environments; The History of The Universe."
https://www.coursera.org/course/astronomy

Imagining Other Earths - Princeton University
"Are we alone? This course introduces core concepts in astronomy, biology, and planetary science that enable the student to speculate scientifically about this profound question and invent their own solar systems."
https://www.coursera.org/course/otherearths

Astrobiology and the Search for Extraterrestrial Life - University of Edinburgh
"Learn about the origin and evolution of life and the search for life beyond the Earth."
https://www.coursera.org/course/astrobio

The Science of the Solar System - Caltech
"Explore the solar system using concepts from physics, chemistry, biology, and geology. Learn the latest from Mars, explore the outer solar system, ponder planets outside our solar system, and search for habitability in the universe."
https://www.coursera.org/course/solarsystem

Origins - Formation of the Universe, Solar System, Earth and Life - University of Copenhagen
"The Origins course tracks the origin of all things – from the Big Bang to the origin of the Solar System and the Earth. The course follows the evolution of life on our planet through deep geological time to present life forms."
https://www.coursera.org/course/origins

Emergence of Life - University of Illinois
"How did life emerge on Earth? How have life and Earth co-evolved through geological time? Is life elsewhere in the universe? Take a look through the 4-billion-year history of life on Earth through the lens of the modern Tree of Life."
https://www.coursera.org/course/emergenceoflife

Human Evolution: Past and Future - University of Wisconsin
"Introduction to the science of human origins, the fossil and archaeological record, and genetic ancestry of living and ancient human populations. The course emphasizes the ways our evolution touches our lives, including health and diet, and explores how deep history may shape the future of our species."
https://www.coursera.org/course/humanevolution

Introduction to Genetics and Evolution - Duke University
"A whirlwind introduction to evolution and genetics, from basic principles to current applications, including how disease genes are mapped and how we leverage evolutionary concepts to aid humanity."
https://www.coursera.org/course/geneticsevolution

Writing in the Sciences - Stanford University
"This course teaches scientists to become more effective writers, using practical examples and exercises. Topics include: principles of good writing, tricks for writing faster and with less anxiety, the format of a scientific manuscript, and issues in publication and peer review."
https://www.coursera.org/course/sciwrite


segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Moro no Brasil, onde posso estudar para me formar um astrônomo?

No Brasil, a grande maioria dos pesquisadores em astronomia e astrofísica fizeram um bacharelado em física e depois a pós-graduação (que são mestrado e doutorado) em alguma área da astronomia. Os que cursam diretamente a graduação em astronomia, também precisam fazer mestrado e doutorado, assim como os físicos.

Resumindo, não há necessidade de cursar astronomia na graduação para se tornar um astrônomo profissional. Cursando um bacharelado em física (ou mesmo licenciatura, há casos) é possível ingressar na pós-graduação em astronomia, na área que mais houver afinidade.

Houvendo a vontade e a oportunidade de se graduar em astronomia, as instituições que oferecem o curso superior no Brasil são:

★   Desde 1958 - UFRJ, Observatório do Valongo 

Tipo de curso: Bacharelado em astronomia com possível ênfase em astrofísica, computação, instrumentação, matemática ou divulgação científica.

Acesse:

★   Desde 2009 - USP, Instituto de Astronomia e Geofísica

Tipo de curso: Bacharelado em astronomia.

Acesse:

★   Desde 2010 - UFRGS, Departamento de Astronomia 

Tipo de curso: Bacharelado em física com habilitação em astrofísica.

Acesse:

★   Desde 2011 - UFS, Instituto de Física

Tipo de curso: Bacharelado em física com habilitação em astronomia.

Acesse:

Nesse link aqui você encontra uma lista com todas as instituições que oferecem pós-graduação em áreas da astronomia no Brasil.

É importante realçar que um profissional de astronomia, se desejar trabalhar na área acadêmica, entra realmente no mercado de trabalho somente após obter o doutorado. Durante os últimos anos da graduação e durante a pós-graduação, a grande maioria dos estudantes recebe bolsa das agências financiadoras brasileiras.

Essa postagem será afixada na seção Quero ser astrônomo (FAQ)

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Apps interessantes - Parte 1

Estou começando hoje uma nova abordagem. Em "Apps Interessantes" vou tentar compilar aplicativos com os quais já esbarrei por aí e que estejam dentro da temática do blog.

Em princípio, os aplicativos serão exclusivamente para o sistema Android, que é o sistema que eu conheço e exploro. Mas dicas de usuários da iOS e Windows Phone serão super bem vindas e poderão entrar aqui numa futura edição das postagens.

A estreia é com aplicativos úteis para alunos que frequentam a Ilha do Fundão. Não só alunos da astronomia, mas pra todos os que necessitam visitar constantemente esta agradável e artificial ilhota em virtude dos compromissos acadêmicos.

Alguns apps já foram amplamente divulgados, mas sempre tem alguém (aquele calouro, ou aquele veterano avoado...) que não conhece, então entraram pra lista também.

Vamos lá.

1 - SIGA Mobile
Na minha opinião é o mais importante da lista. Só quem já tentou acessar o sistema pelo navegador do celular sabe da real utilidade deste aplicativo.
Descrição do desenvolvedor:
Para alunos da UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro,
Aplicativo para conectar-se ao Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (também conhecido como SIGA), de forma fácil, simples e com uma interface amigável para smartphones e tablets.

Download em:
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.rafaelcf.sigamobile

2 - BandejãoUFRJ
Ele traz os cardápios do bandejão para a tela do seu celular. Você já sai correndo da aula sabendo qual será o menu para forrar a pancinha depois da longa fila.
Descrição do desenvolvedor:
Simplesmente a maneira mais rápida de saber o cardápio do restaurante universitário da UFRJ! (Vulgo Bandejão) : )
O widget sempre exibe automaticamente a próxima refeição a ser servida.
Para ver os cardápios de outros dias basta tocar uma vez nele.

Download em:
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.github.diegofps.bandejaoufrj

3 - SetFundão
Quer saber porque você está preso na linha vermelha e não consegue chegar a tempo da sua prova? Quer saber se quando sair da aula vai ficar 1h ou muiiito mais ainda dentro da Ilha porque está tudo engarrafado? As câmeras internas podem te ajudar a se planejar.
Descrição do desenvolvedor:
Monitor de câmeras do CET Fundão http://diseg.pu.ufrj.br
As imagens exibidas estão sujeitas a disponibilidade da CET Fundão. As câmeras podem apresentar inatividade, não sendo um defeito do SetFundão.

Download em:
https://play.google.com/store/apps/details?id=br.repinel

4 - Guia Fundão
Vai ter uma PF em 10min, esqueceu a borracha em casa e não sabe onde tem uma papelaria salvadora? Tá enjoado do bandejão com vontade de experimentar uma comida diferente mas não sabe onde tem um restaurante inexplorado? Seus problemas acabaram. Nesse aplicativo você encontra os serviços disponíveis na Ilha do Fundão e seus respectivos endereços.
Descrição do desenvolvedor:
Essa é uma versão inicial. É possível buscar por serviços de grande utilidade porém precisamos da ajuda da comunidade acadêmica para ampliar a base de dados.
Surpresas em breve!

Download em:
https://play.google.com/store/apps/details?id=br.ufrj.guiafundao

Sugestões de outros aplicativos e de outras plataformas serão super bem vindas! Escreva nos comentários.
Até mais.



domingo, 2 de dezembro de 2012

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Os memes e a Ciência


Afinal, o que são os memes? Na webcultura atual, os memes são aqueles desenhos sem muito capricho que são usados para contar histórias em tirinhas, geralmente engraçadas.

Mas você sabe o que REALMENTE significa o termo 'meme'? Ele foi criado em 1976 pelo cientista e escritor Richard Dawkins (de quem eu sou grande fã) em seu livro 'O Gene Egoísta', onde ele define: "o meme é considerado uma unidade de evolução cultural que pode de alguma forma autopropagar-se. Os memes podem ser ideias ou partes de ideias, línguas, sons, desenhos, capacidades, valores estéticos e morais, ou qualquer outra coisa que possa ser aprendida facilmente e transmitida enquanto unidade autônoma. O estudo dos modelos evolutivos da transferência de informação é conhecido como memética". Leia mais clicando aqui.

Embarcando na onda dos personagens memes, senti vontade de criar minha própria tirinha pra contar uma história real. É a primeira tirinha meme que criei na vida, espero que você goste :-)






Para saber mais sobre os memes, dê uma olhadinha nesta recomendação do Discutindo Ecologia.